ProUni e suas tretas burocráticas

ProUni e suas tretas burocráticas

O Salto No Comment
Uncategorized

ProUni

Uma segunda chance para ingressar numa faculdade em 2018

Por Júlia Tezza

Quem ainda não sabe o Ministério da Educação criou o ProUni (Programa Universidade para Todos) com a intenção de ajudar aqueles estudantes de baixa renda que querem estudar em uma instituição de ensino superior privada, oferecendo bolsas de estudos que podem ser integrais (100%) ou parciais (50%). Interessou? Vem comigo que te falo como!

Será que eu tenho chance?

Como estamos falando sobre um programa do Governo antes de sonharmos com as infinitas possibilidades que nos aguardam precisamos ir com calma, primeiro dê uma olhada nos requisitos para a inscrição:

  • ensino médio completo na rede pública de ensino, ou se feito na rede privada que tenha sido com bolsa integral (100%);
  • ter uma renda familiar de até 1,5 salários mínimos por pessoa para conseguir a bolsa integral (100%). Já para bolsa parcial (50%) a renda familiar deve ser de até 3 salários mínimos por pessoa;
  • o candidato precisa ter feito a prova do ENEM no ano anterior porque a nota serve como critério para a classificação no ProUni. Isso significa que se a sua nota foi alta as chances de conseguir se dar bem no programa são grandes!;
  • a nota mínimo obtida no ENEM precisa ser de 450 pontos e não ter zerado na redação.

E os professores podem ganhar bolsa também?

Claro! O ProUni oferece bolsas de estudo para os professores da rede pública de ensino que queiram ingressar em cursos de licenciatura, normal superior e pedagogia. Alguns requisitos também são necessários:

  • que o professor faça parte permanente do colegiado da instituição de ensino;
  • atinja 450 pontos no ENEM, o qual deve ter sido feito no ano anterior ao processo de inscrição do ProUni;
  • não ter zerado na redação do ENEM.

Tá, mas agora me explica como eu faço a inscrição

Vamos lá! A única forma de você conseguir se inscrever no programa é através do site e só nos dias estabelecidos em edital. Quando for liberado o sistema, siga os seguintes passos:

  • clique em “Fazer a inscrição”;
  • insira seu CPF junto ao número de inscrição e senha cadastrados para o ENEM do ano anterior. Se você não lembrar ou tiver perdido esses dados é só acessar o site do ENEM;
  • dê uma boa olhada nos dados pra depois confirmar. Sua nota do ENEM aparecerá automaticamente logo que você preencher os campos vazios. Se tiver algo errado, como o seu nome, por exemplo, já aproveita e corrija. Não esqueça de atualizar!;
  • agora responda o questionário sobre a sua situação social e dados da sua família;
  • para encerrar a inscrição você precisa escolher duas opções de cursos, por ordem de prioridade, na mesma ou em diferentes instituições de ensino. Você pode mudar essas escolhas enquanto o processo de inscrição estiver aberto, então fica esperto e não perca o prazo!

É bom lembrar

  • ao escolher os cursos você também precisa escolher o tipo de bolsa que quer receber, cotas ou ampla concorrência;
  • alguns cursos pedem requisitos específicos para o candidato, como o curso de Ciências Aeronáuticas, por exemplo, que pede uma licença de piloto privado e algumas horas de voo. Se você não tiver, nem tente;
  • existem instituições de ensino que aplicam seu próprio processo seletivo. Preste atenção se algum desses processos não irão te prejudicar para conseguir receber a bolsa.

Fui aprovado! O que fazer agora?

Uhul! Parabéns! Agora você precisa fazer a matrícula na instituição de ensino pretendida, e para isso anote aí todos os documentos necessários:

  • Documento de identificação, original e cópia de uma das opções abaixo:

– Carteira de identidade (RG);

– Carteira Nacional de Habilitação (CNH);

– Carteira Funcional;

– Identidade Militar;

– Registro Nacional de Estrangeiros (RNE);

– Passaporte (emitido no Brasil);

– Carteira do Trabalho e Previdência Social (CTPS).

  • Comprovante de residência, original e cópia de uma das opções abaixo, e pode estar no nome do bolsista ou de um membro da família:

– Contas de água, luz, gás ou telefone (fixo e móvel);

– Contrato de aluguel em vigor, com firma do proprietário do imóvel reconhecida em cartório, acompanhado de um dos comprovantes de conta de água, gás, luz ou telefone em nome do proprietário do imóvel;

– Declaração do proprietário do imóvel confirmando a residência, com firma reconhecida em cartório, acompanhada de um dos comprovantes de conta de água, gás, luz ou telefone em nome do proprietário do imóvel;

– Declaração anual do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF);

– Demonstrativo ou comunicado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou da Receita Federal do Brasil (RFB);

–  Contracheque emitido por órgão público;

– Boleto bancário de mensalidade escolar, de mensalidade de plano de saúde, de condomínio ou de financiamento habitacional;

– Fatura de cartão de crédito;

– Extrato ou demonstrativo bancário de outras contas, corrente ou poupança;

– Extrato ou demonstrativo bancário de empréstimo ou aplicação financeira;

– Extrato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);

– Guia ou carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) ou do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

  • Comprovantes de Rendimentos, original e cópia de uma das opções abaixo, do candidato e dos membros da família:

– Assalariados:

*Três últimos contracheques, no caso de renda fixa;

*Seis últimos contracheques, quando houver pagamento de comissão ou hora extra;

*Declaração de IRPF acompanhada do recibo de entrega à Receita Federal do Brasil e da respectiva notificação de restituição, quando houver;

*CTPS registrada e atualizada;

*CTPS registrada e atualizada ou carnê do INSS com recolhimento em dia, no caso de empregada doméstica;

*Extrato da conta vinculada do trabalhador no FGTS referente aos seis últimos meses;

*Extratos bancários dos últimos três meses.

 

– Profissionais Liberais:

*Declaração de IRPF acompanhada do recibo de entrega à Receita Federal do Brasil e da respectiva notificação de restituição, quando houver;

*Qualquer declaração tributária referente a pessoa jurídica vinculada ao estudante ou membros de seu grupo familiar, quando for o caso;

*Guias de recolhimento ao INSS com comprovante de pagamento do último mês, compatíveis com a renda declarada;

*Extratos bancários dos últimos três meses, pelo menos.

 

  • Comprovantes de ensino médio, original e cópia:

-Comprovantes dos períodos letivos referentes ao ensino médio cursados em escola pública, quando for o caso;

-Comprovante de recebimento de bolsa de estudos integral durante os períodos letivos referentes ao ensino médio cursados em instituição privada, emitido pela própria instituição, quando for o caso;

-O candidato que tenha feito o ensino médio no exterior deverá apresentar as vias originais dos documentos referidos nos itens acima, traduzido para o português por tradutor juramentado, nos termos do art. 224 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil;

-Para a comprovação de conclusão do ensino médio, o candidato poderá apresentar certificado de conclusão com base no resultado do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA) ou dos exames de certificação de competência ou de avaliação de jovens e adultos realizados pelos sistemas estaduais de ensino. Neste caso, o candidato não poderá ter cursado o ensino médio em uma escola particular, exceto se recebia bolsa integral na instituição de ensino.

Calma aí! Ainda tenho uma dúvida!

Não sabe quais são as faculdades participantes nem onde encontrar isso? Eu te digo! Como todos os anos o número de instituições de ensino interessadas em participar do programa cresce, a lista dessa relação também precisa ser atualizada, por isso muda todos os anos. No site oficial do ProUni durante o período de inscrição você vai encontrar a lista atualizada no link “Faculdades Participantes”. Mas não adianta acessar e procurar antes do período de inscrição, hein!

Outro jeito de você conseguir ver essa lista das faculdades é com o aplicativo oficial do programa. É só baixar e fazer a sua busca, aqui!

Ah! Mas bateu aquela preguiça…

Então sacode! Depois de ter conseguido passar por tantas etapas e finalmente estar matriculado você precisa fazer algo muito importante: estudar! Parece besteira, mas muitos estudantes esquecem que precisam levar muito a sério a nova rotina, porque até se você não se esforçar pode perder o direito à bolsa. Olha aqui o que você não pode fazer se não quiser perder o benefício:

  • abandono do período letivo;
  • aproveitamento inferior a 75% das matérias cursadas no período letivo;
  • não pagamento da parcela não coberta pela bolsa, quando for bolsistas parciais;
  • afastamento não justificado.

Ufa! Agora acabou?

Sim! Pelo menos a parte burocrática e so boring desse processo enorme acaba aqui. Agora, matriculado e com sede de conhecimento só falta você aproveitar essa nova fase de sua vida. Bons estudos!

 

 

Leave a Reply

Não perca nenhuma dica!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu email.