Enem

Cones dentro da retina: O que o ENEM quis saber?

O Salto No Comments

Para você que está estudando para o vestibular, ou fez a prova do Enem do ano passado, muito provavelmente já sabe que existem milhões de cones dentro da retina. Se você não faz ideia do que eu tô falando, continue lendo que você vai entender!

Não são cones de obras, embora tenham a importante missão de sinalizar para gente as cores e detalhes dos objetos. Junto com os bastonetes, outro tipo de célula do olho humano, eles transformam a energia luminosa em estímulos nervosos, que, ao serem conduzidos ao córtex cerebral, formam o sentido da nossa visão.

O que o ENEM quis saber?

A questão perguntava sobre o tipo de efeito que a degeneração de cones pode comprometer, e a resposta, como você já sabe, diz respeito à capacidade de visão em cores.

Se a questão fosse bastonetes, o ENEM poderia perguntar sobre as células que ajudam você a enxergar à noite.

Os bastonetes são fotoreceptores da retina que conseguem funcionar com níveis baixos de luminosidade. Quando você anda no escuro, por exemplo, eles trabalham para que os objetos fiquem mais perceptíveis. Já quando você está em um ambiente mais claro, eles ajudam você a ver ainda melhor. Os bastonetes são 100 vezes mais sensíveis à luz que os cones, mas detectam apenas tons de cinza.

E você, já estudou sobre isso? Existe algum outro tema que você quer aprender com O Salto? Deixe seu comentário, nós queremos muito te ajudar!

Não deixe de curtir também as páginas do Salto nas redes sociais (Facebook e Instagram). Quando você menos percebe já esta aprendendo.

Tudo Sobre o FIES: Pré-requisitos, Inscrições e Quem Pode Participar

O Salto No Comments

Tudo Sobre o FIES: Pré-requisitos, Inscrições e Quem Pode Participar

FIES 2018 – O que eu preciso saber?

O FIES 2018 ou Fundo de Financiamento Estudantil é um programa de inclusão social criado pelo Governo Federal para incentivar o jovem de baixa renda a ter acesso ao ensino superior em instituições privadas, pagando valores mais acessíveis. A demanda de novos alunos para cursos de nível superior cresce a cada ano, o que faz com que apenas as universidades públicas não sejam suficientes para atender a todos. Com o FIES o estudante tem mais uma opção de começar seu tão sonhado curso e formar-se na área escolhida.

Para este ano de 2018 o MEC divulgou a nova regra para aqueles que desejam participar do programa. Agora apenas estudantes que ainda não possuam formação superior, ou seja, que não tenham se formado em algum curso superior poderão se inscrever.

Pré-requisitos:

Mesmo sendo um programa federal que se direciona a ajudar aqueles que precisam dessa oportunidade para estudar é preciso se encaixar nos requisitos. Confira abaixo os itens necessários para se inscrever no FIES:

–  ter tirado uma nota acima de 450 no ENEM;

–  não ter zerado na redação do ENEM;

–  ter uma renda máxima de 2 salários mínimos por pessoa na família;

–  ter sido pré-selecionado;

–  em alguns casos, aqueles que recebem bolsa de até 50% do ProUni.

Não podem participar:

– não ter sido pré-selecionado pelo MEC;

–  já ter um curso superior;

–  receber bolsa integral do PROUNI;

–  estar com a matrícula acadêmica trancada no momento da inscrição no FIES;

–  já ter recebido o auxílio do programa antes;

–  estar com alguma pendência no Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC)

–  ter nota inferior de 450 pontos ou zerado na redação do ENEM;

–  renda familiar maior do que 2,5 salários mínimos

Inscrições:

O período de inscrição esta previsto para a primeira quinzena de Fevereiro, mas a gente já te ensina como fazer aqui no passo a passo:

–  acesse o site  FIES Seleção;

–  clique em “Fazer minha inscrição”;

–  preencha o “Cadastro de Pessoa Física (CPF)”;

–  preencha a data de nascimento;

–  coloque o “Código de Segurança” pedido;

– clique em “Prosseguir” e continue respondendo com seus dados. Depois, conclua o cadastro.

SisFies:

Depois de pré-selecionado o candidato precisa se  inscrever no SisFIES, no prazo de no máximo 5 dias, para conseguir validar suas informações na CPSA (Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento) na instituição de ensino escolhida, o deve ser feita em no máximo 10 dias. A contratação do financiamento deve ser feita até 10 dias depois da visita do candidato na instituição de ensino, pelo Banco do Brasil ou pela Caixa Econômica Federal.

Documentos:

O candidato deve levar ao banco escolhido os seguintes documentos para fazer o financiamento:

– Documento de Regularidade de Inscrição (DRI) emitida pela Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento do FIES (CPSA);

– RG (original e cópia);

– CPF próprio e, se menor de 18 anos, do seu responsável;

– Certidão de casamento, CPF e documento de identidade do cônjuge, se for necessário;

– Comprovante de residência (original e cópia);

– termo de concessão ou atualização da utilização da bolsa parcial do ProUni, se necessário.

O processo de inscrição do FIES pode ser feito durante todo o ano, mas como as vagas são limitadas e sempre muito concorridas o quanto antes você se inscrever maior será a chance de conseguir.

ProUni e Suas Tretas Burocráticas

O Salto No Comments

Uma segunda chance para ingressar numa faculdade em 2018

Por Júlia Tezza

Quem ainda não sabe o Ministério da Educação criou o ProUni (Programa Universidade para Todos) com a intenção de ajudar aqueles estudantes de baixa renda que querem estudar em uma instituição de ensino superior privada, oferecendo bolsas de estudos que podem ser integrais (100%) ou parciais (50%). Interessou? Vem comigo que te falo como!

Será que eu tenho chance?

Como estamos falando sobre um programa do Governo antes de sonharmos com as infinitas possibilidades que nos aguardam precisamos ir com calma, primeiro dê uma olhada nos requisitos para a inscrição:

  • ensino médio completo na rede pública de ensino, ou se feito na rede privada que tenha sido com bolsa integral (100%);
  • ter uma renda familiar de até 1,5 salários mínimos por pessoa para conseguir a bolsa integral (100%). Já para bolsa parcial (50%) a renda familiar deve ser de até 3 salários mínimos por pessoa;
  • o candidato precisa ter feito a prova do ENEM no ano anterior porque a nota serve como critério para a classificação no ProUni. Isso significa que se a sua nota foi alta as chances de conseguir se dar bem no programa são grandes!;
  • a nota mínimo obtida no ENEM precisa ser de 450 pontos e não ter zerado na redação.

E os professores podem ganhar bolsa também?

Claro! O ProUni oferece bolsas de estudo para os professores da rede pública de ensino que queiram ingressar em cursos de licenciatura, normal superior e pedagogia. Alguns requisitos também são necessários:

  • que o professor faça parte permanente do colegiado da instituição de ensino;
  • atinja 450 pontos no ENEM, o qual deve ter sido feito no ano anterior ao processo de inscrição do ProUni;
  • não ter zerado na redação do ENEM.

Tá, mas agora me explica como eu faço a inscrição

Vamos lá! A única forma de você conseguir se inscrever no programa é através do site e só nos dias estabelecidos em edital. Quando for liberado o sistema, siga os seguintes passos:

  • clique em “Fazer a inscrição”;
  • insira seu CPF junto ao número de inscrição e senha cadastrados para o ENEM do ano anterior. Se você não lembrar ou tiver perdido esses dados é só acessar o site do ENEM;
  • dê uma boa olhada nos dados pra depois confirmar. Sua nota do ENEM aparecerá automaticamente logo que você preencher os campos vazios. Se tiver algo errado, como o seu nome, por exemplo, já aproveita e corrija. Não esqueça de atualizar!;
  • agora responda o questionário sobre a sua situação social e dados da sua família;
  • para encerrar a inscrição você precisa escolher duas opções de cursos, por ordem de prioridade, na mesma ou em diferentes instituições de ensino. Você pode mudar essas escolhas enquanto o processo de inscrição estiver aberto, então fica esperto e não perca o prazo!

É bom lembrar

  • ao escolher os cursos você também precisa escolher o tipo de bolsa que quer receber, cotas ou ampla concorrência;
  • alguns cursos pedem requisitos específicos para o candidato, como o curso de Ciências Aeronáuticas, por exemplo, que pede uma licença de piloto privado e algumas horas de voo. Se você não tiver, nem tente;
  • existem instituições de ensino que aplicam seu próprio processo seletivo. Preste atenção se algum desses processos não irão te prejudicar para conseguir receber a bolsa.

Fui aprovado! O que fazer agora?

Uhul! Parabéns! Agora você precisa fazer a matrícula na instituição de ensino pretendida, e para isso anote aí todos os documentos necessários:

  • Documento de identificação, original e cópia de uma das opções abaixo:

– Carteira de identidade (RG);

– Carteira Nacional de Habilitação (CNH);

– Carteira Funcional;

– Identidade Militar;

– Registro Nacional de Estrangeiros (RNE);

– Passaporte (emitido no Brasil);

– Carteira do Trabalho e Previdência Social (CTPS).

  • Comprovante de residência, original e cópia de uma das opções abaixo, e pode estar no nome do bolsista ou de um membro da família:

– Contas de água, luz, gás ou telefone (fixo e móvel);

– Contrato de aluguel em vigor, com firma do proprietário do imóvel reconhecida em cartório, acompanhado de um dos comprovantes de conta de água, gás, luz ou telefone em nome do proprietário do imóvel;

– Declaração do proprietário do imóvel confirmando a residência, com firma reconhecida em cartório, acompanhada de um dos comprovantes de conta de água, gás, luz ou telefone em nome do proprietário do imóvel;

– Declaração anual do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF);

– Demonstrativo ou comunicado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou da Receita Federal do Brasil (RFB);

–  Contracheque emitido por órgão público;

– Boleto bancário de mensalidade escolar, de mensalidade de plano de saúde, de condomínio ou de financiamento habitacional;

– Fatura de cartão de crédito;

– Extrato ou demonstrativo bancário de outras contas, corrente ou poupança;

– Extrato ou demonstrativo bancário de empréstimo ou aplicação financeira;

– Extrato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);

– Guia ou carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) ou do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

  • Comprovantes de Rendimentos, original e cópia de uma das opções abaixo, do candidato e dos membros da família:

– Assalariados:

*Três últimos contracheques, no caso de renda fixa;

*Seis últimos contracheques, quando houver pagamento de comissão ou hora extra;

*Declaração de IRPF acompanhada do recibo de entrega à Receita Federal do Brasil e da respectiva notificação de restituição, quando houver;

*CTPS registrada e atualizada;

*CTPS registrada e atualizada ou carnê do INSS com recolhimento em dia, no caso de empregada doméstica;

*Extrato da conta vinculada do trabalhador no FGTS referente aos seis últimos meses;

*Extratos bancários dos últimos três meses.

 

– Profissionais Liberais:

*Declaração de IRPF acompanhada do recibo de entrega à Receita Federal do Brasil e da respectiva notificação de restituição, quando houver;

*Qualquer declaração tributária referente a pessoa jurídica vinculada ao estudante ou membros de seu grupo familiar, quando for o caso;

*Guias de recolhimento ao INSS com comprovante de pagamento do último mês, compatíveis com a renda declarada;

*Extratos bancários dos últimos três meses, pelo menos.

 

  • Comprovantes de ensino médio, original e cópia:

-Comprovantes dos períodos letivos referentes ao ensino médio cursados em escola pública, quando for o caso;

-Comprovante de recebimento de bolsa de estudos integral durante os períodos letivos referentes ao ensino médio cursados em instituição privada, emitido pela própria instituição, quando for o caso;

-O candidato que tenha feito o ensino médio no exterior deverá apresentar as vias originais dos documentos referidos nos itens acima, traduzido para o português por tradutor juramentado, nos termos do art. 224 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil;

-Para a comprovação de conclusão do ensino médio, o candidato poderá apresentar certificado de conclusão com base no resultado do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA) ou dos exames de certificação de competência ou de avaliação de jovens e adultos realizados pelos sistemas estaduais de ensino. Neste caso, o candidato não poderá ter cursado o ensino médio em uma escola particular, exceto se recebia bolsa integral na instituição de ensino.

Calma aí! Ainda tenho uma dúvida!

Não sabe quais são as faculdades participantes nem onde encontrar isso? Eu te digo! Como todos os anos o número de instituições de ensino interessadas em participar do programa cresce, a lista dessa relação também precisa ser atualizada, por isso muda todos os anos. No site oficial do ProUni durante o período de inscrição você vai encontrar a lista atualizada no link “Faculdades Participantes”. Mas não adianta acessar e procurar antes do período de inscrição, hein!

Outro jeito de você conseguir ver essa lista das faculdades é com o aplicativo oficial do programa. É só baixar e fazer a sua busca, aqui!

Ah! Mas bateu aquela preguiça…

Então sacode! Depois de ter conseguido passar por tantas etapas e finalmente estar matriculado você precisa fazer algo muito importante: estudar! Parece besteira, mas muitos estudantes esquecem que precisam levar muito a sério a nova rotina, porque até se você não se esforçar pode perder o direito à bolsa. Olha aqui o que você não pode fazer se não quiser perder o benefício:

  • abandono do período letivo;
  • aproveitamento inferior a 75% das matérias cursadas no período letivo;
  • não pagamento da parcela não coberta pela bolsa, quando for bolsistas parciais;
  • afastamento não justificado.

Ufa! Agora acabou?

Sim! Pelo menos a parte burocrática e so boring desse processo enorme acaba aqui. Agora, matriculado e com sede de conhecimento só falta você aproveitar essa nova fase de sua vida. Bons estudos!

Como aplicar a nota do Enem no SISU?

O Salto 2 comments

TUTORIAL PARA APLICAR A NOTA DO ENEM

(mais mastigado que isso, impossível)

Saiu a nota do Enem. E agora? Inspire, respire e não pire. Nós, aqui do Salto, sabemos exatamente o que você deve fazer com a sua nota. Independente de você ter lacrado na prova ou não ter ido tão bem, saber aplicar a sua nota é decisivo para garantir uma vaga na faculdade dos seus sonhos.

Dito isso, preste bem atenção nesse tutorial, e fique tranquilo. Mesmo que você não tenha tido a performance da sua vida, ainda tem salvação.

1) COMECE DO COMEÇO

1) Acesse a página do participante no site do Enem, clicando aqui.

2) Faça login com seu cpf e digite sua senha super secreta.

3) Anote o seu número de inscrição e deixe bem guardadinho em algum lugar.

4) Copie também a nota que você tirou em cada área de conhecimento e deixe anotado. 

Exemplo: 

668 – Ciências da Natureza
766,9 – Ciências Humanas e suas Tecnologias
854,6 – Linguagem, códigos e suas tecnologias
699,3 – Matemática e suas tecnologias
1000 – Redação

 

2) DESCUBRA O PODER DA SUA NOTA

Agora é a hora de você descobrir em quais lugares passaria com a sua nota do ENEM. Para isso, indicamos o Geekie Games, que é um dos melhores simuladores que encontramos.

Para acessar o Simulador Sisu do Geekie Games, clique aqui.

Dica: não é preciso se cadastrar no site para simular a sua nota.


Agora, anote em cada quadradinho a nota exata que você tirou em cada área de conhecimento, e clique em “ver cursos e universidades que eu passaria”.

A partir das médias e notas de corte do Sisu de janeiro de 2017, o site vai te mostrar uma lista de opções.


O site também mostra, por meio das cores, se o seu desempenho foi acima ou abaixo da nota de corte.

Você também filtrar a sua busca por universidade ou curso desejado, e saber logo de cara qual é a sua probabilidade de passar.

Por curso:

Por faculdade:

O Geek Games também te informa as faculdades que possuem peso de nota diferente.

Dica: se você não sabe nem o que é peso de nota ou nota de corte, vá para o final do artigo antes de continuar. Lá, esclarecemos essas e outras dúvidas.

Vamos aos exemplos:

  • A UFMG tem o mesmo peso de nota para todas as áreas de conhecimento. Desse modo, a sua nota tem o mesmo valor em qualquer curso. Veja abaixo:

  • Já a UFRJ, tem pesos de nota diferentes por áreas de conhecimento. Logo, sua nota muda, dependendo do curso que escolher. Veja abaixo:

Enfim, por que é tão importante você acessar esse simulador? Para descobrir quais faculdades e cursos você passaria com certeza, sinalizadas em verde, e quais você talvez (se pá), passaria, sinalizados em amarelo ou vermelho.

3) TÁ, MAS E AÍ?

Agora você vai, novamente, pegar um caderno ou agenda e anotar duas coisas: qual seria a sua primeira opção de faculdade+curso e a sua segunda opção de faculdade+curso.

1ª opção) Precisa ser o curso que você realmente mais quer, na faculdade dos seus sonhos, mesmo que a probabilidade de passar nele seja média ou baixa.

2ª opção) Deve ser o curso e faculdade que você tem certeza que passaria, já que o site sinalizou como verde (alta possibilidade). É o famoso, “se não tem tu, vai tu mesmo”. Pense em um curso que não é a escolha dos seus sonhos, mas que você se imagina fazendo. 

ATENÇÃO:

Você pode escolher como 2ª opção o mesmo curso, desde que não seja na mesma faculdade que escolheu como 1ª opção. Mas é importante que a sua segunda escolha esteja em verde (alta possibilidade de passar), para que você aplique bem a sua nota.

 

 

4) TUDO ANOTADO. E AGORA?

Agora, você vai ter que sentar e esperar até o dia 23 de janeiro de 2018, data em que abre o período de inscrição no site do SISU.

5) CHEGOU DIA 23 DE JANEIRO

Respire fundo e prepare-se para agir com muita cautela, a partir daqui.

1º) Você irá se inscrever no site do SISU, clicando aqui. Ao fazer isso, o site irá puxar automaticamente todos as suas notas do site do ENEM. Por isso é que pedimos, no início desse tutorial, para você deixar anotadinho o seu número de inscrição. É agora que você irá usá-lo.

2º) Você irá escolher a primeira opção e a segunda opção de curso + faculdade e confirmar no site. Exatamente como combinamos, ok?

3º) Até o dia 26 de janeiro (período de encerramento das inscrições), você irá abrir o site do SISU todos os dias para monitorar a nota de corte.

6) MISSÃO:

MONITORAR AS NOTAS DE CORTE TODOS OS DIAS

Por que você deve monitorar a nota de corte?

Porque as notas de corte mudam todos os dias.

Por que isso acontece? Por vários motivos. Só para citar alguns:

  • Os candidatos têm até o dia 26/01 para escolherem suas opções de curso e faculdade. E muita gente deixa para última hora. Logo, a nota de corte pode aumentar ou diminuir.
  • Os candidatos podem mudar de ideia. Até 23h59 do dia 26/01, é possível mudar as escolhas da primeira opção e segunda opção de curso + faculdade.
  • Muita gente entrará no site do Sisu ao mesmo tempo,  o programa tem falhas e demora  para carregar as ações de todos os usuários no sistema.

6) FICAR DE OLHO NESSA DATA:

DE 23/01 a 26/01

Vale a pena dizer e não custa nada repetir: de 23/01 a 26/01monitore as notas de corte todos os dias. Você só vai saber se a probabilidade de passar na sua 1ª opção de curso aumentou ou diminuiu, fazendo isso. E você também, só vai saber se a sua probabilidade de passar na 2ª opção de curso está mesmo garantida, fazendo isso.

DICA DE OURO

Lembra que a gente disse lá em cima para você colocar como 2ª opção um curso e faculdade que tem certeza que irá passar? Preste atenção, porque isso é muito importante.

Se você não passar na escolha da 1ª opção, você pode entrar na lista de espera e ainda tentar uma colocação na faculdade e curso que deseja.

Com a sua 2ª opção, você não tem o mesmo privilégio. Se você não passar na 2ª opção, sua chance de entrar no curso e faculdade escolhidos para ela acabam ali. NÃO TEM LISTA DE ESPERA PARA 2ª OPÇÃO.

7) CHEGOU O DIA 26 DE JANEIRO

O QUE EU FAÇO?

Deixe sua nota lá quietinha.

Você pode dar uma olhada no final do dia para ver como estão as notas de corte, mas só troque se tiver certeza absoluta que vale a pena. Nesse dia, o site começa a travar e todo cuidado é pouco. #ficadica

Terminando o dia 26, não tem mais jeito de mudar a nota. Agora iremos juntos esperar até o dia da primeira chamada, para você ver como se saiu.

Para não perder nenhuma data importante, já anote aí as redes sociais do Salto. Nós te avisaremos de todas as chamadas e seleções que você não pode deixar de participar.

instagram.com/vamos.saltar

facebook.com/vamos.saltar

8) PRÓXIMOS PASSOS

Passei na primeira opção que eu escolhi.

Ótimo. Agora é só se matricular e ser feliz.

Não passei na primeira opção, mas passei na segunda. O que eu faço?

Primeiro, matricule-se na segunda opção enquanto é tempo: mais vale um pássaro na mão que dois no arbusto. Depois, clique para participar da lista de espera da 1ª opção escolhida por você.

obs.: você irá se candidatar para participar para 1ª lista de espera pelo próprio site do SISU. 

A boa notícia é que, mesmo matriculado na opção 2 de curso, você pode participar da lista de espera da opção 1. 

Não passei em nenhuma das duas opções. Ainda posso ter esperanças?

Pode!!! Mas preste muita atenção no que você deve fazer:

1º) Clique para entrar na 1ª lista de espera do curso e faculdade da sua 1ª opção. Você fará isso pelo próprio site do SISU.

obs.: já foi dito, mas não custa repetir: você não pode entrar na lista de espera com a sua escolha da 2ª opção.

2º) Aguarde a primeira chamada da lista de espera e volte ao site do SISU para conferir se foi chamado.

Passei na minha primeira opção por meio da lista de espera.

Ótimo. Seja feliz!

 

Não passei na minha primeira opção na lista de espera. Estou perdido?  

Não. Ainda tem salvação. Acalme-se.

Preste atenção no que você vai fazer, porque ninguém vai te contar isso.

Você vai entrar imediatamente no site da faculdade que você assinalou na sua primeira opção. Exemplo: site da UFMG.

  1. Você vai se cadastrar nesse site.
  2.  Você irá assinalar o seu interesse de entrar na segunda lista de espera.
  3. Você vai buscar a faculdade que você assinalou na sua primeira opção no facebook, twitter, instagram e escambau a quatro e vai segui-los diariamente, para ficar sabendo das próximas listas de espera
  4.  Se não passar na segunda lista de espera, você volta no site e clica para participar da terceira.
  5. Se não passar na terceira lista de espera, você volta no site e assinala para participar da quarta, e assim sucessivamente.
  6. Enquanto você aguarda, vá estudando, para não perder o seu tempo. É possível que tenha oito ou até mais listas de espera, depende da procura do seu curso, da desistência de outras pessoas e também da sorte.

8. Se mesmo depois de tudo isso, você não passar, não fique triste. Levanta, sacode a poeira e dê a volta por cima. Você tem tudo que precisa para lacrar na próxima tentativa. E estaremos aqui para fazer isso juntos, combinado?

DICA:

Corra atrás. Nenhuma faculdade do Brasil vai ficar te chamando para participar de lista nenhuma. A iniciativa precisa ser sua.

9)DÚVIDAS E AFINS

Agora vamos a algumas perguntinhas básicas que alguns ignoram, poucos sabem e muitos desconhecem:

1) Minha nota do ENEM não saiu junto com a de todo mundo. Por que?

Provavelmente, porque você tentou como treineiro. Ou seja, você tem menos de 18 anos ou não concluiu o Ensino Médio. Se esse é o seu caso, sua nota só vai ser divulgada dia 19 de março.

Nessa mesma data, o MEC vai disponibilizar os chamados “espelhos da redação”, ou seja, a cópia digitalizada da sua redação e as justificativas das notas.

2) O que significa SISU?

O Sisu é o Sistema Informatizado do Ministério da Educação, por meio do qual, instituições públicas de Ensino Superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem.

3) O que significa ampla concorrência?

Basicamente, que você não participa de nenhum sistema de cotas.

4) Como o SISU distribui as cotas?

Pelo menos 50% das vagas são destinadas a pessoas que fizeram o Ensino Médio integralmente em escolas públicas. Metade delas é destinada a estudantes com renda familiar bruta mensal por pessoa de até um salário mínimo e meio.

O preenchimento das vagas leva em conta ainda critérios de cor ou raça. Ou seja, uma parte das vagas é reservada a estudantes que se declaram pretos, pardos ou indígenas.

Por fim, um percentual das vagas é reservado a pessoas com deficiência, proporcional à quantidade de pessoas deste grupo no Estado da Instituição de Ensino Superior.

5) Tem jeito de entrar numa faculdade pública SEM SER pelo SISU?

Sim. 11 universidades federais e 29 estaduais ainda mantêm vestibulares próprios, com prova de redação. Confira reportagem aqui

6) O que é nota de corte?

É a menor nota exigida para que você fique entre os potencialmente selecionados.

Durante todo o período de inscrição no Sisu (de 23 a 26 de janeiro), uma vez por dia, o site calcula as notas de corte para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, por modalidade de concorrência.

Atenção para o recadinho do próprio SISU: a nota de corte é apenas uma referência para auxilar o candidato no monitoramento de sua inscrição, não sendo garantia de seleção para a vaga ofertada. 

7) O que é peso da nota?

Basicamente, é a importância que a faculdade dá para nota que você tirou em cada área de conhecimento. Supondo que você tente Letras, por exemplo, algumas faculdades darão mais peso para a sua Redação.

Dica: não se preocupe em calcular sua nota sozinho. O GeekGames e o próprio SISU fazem automaticamente o cálculo e mostram a sua nota exata em cada um dos cursos e faculdades pretendidos. 

8) O que é nota mínima?

Algumas faculdades exigem uma nota mínima específica para cada área de conhecimento, dependendo do curso que você escolher. Isso quer dizer que, mesmo que você tenha uma média altíssima e uma redação mil, precisará ainda cumprir critérios específicos para ocupar a vaga dos seus sonhos.

Abaixo, você vê as notas mínimas para cada área de conhecimento no curso Engenharia Ambiental, na USP.

9) O SISU abre de novo no meio do ano?

Sim. Algumas faculdades têm vestibular no meio do ano, por isso, o Sisu abre novamente. No entanto, a quantidade de vagas não é tão grande quanto no início do ano, nem a quantidade de instituições disponíveis.

Atenção para o seguinte:

Se você foi aprovado na primeira edição do Sisu, não participa da segunda rodada de convocação, mesmo que não tenha feito matrícula na universidade.

Se você não foi aprovado em nenhuma das suas escolhas na primeira edição, pode se inscrever novamente. As vagas ofertadas não são as mesmas, e a inscrição do início não interfere nessa. Só não pode participar quem zerou a redação.

10) Minha dúvida não está entre essas.

Não tem problema. Pergunte abaixo que iremos te responder o mais breve possível. No mais, o Salto deseja a todos sucesso, sorte e uma ótima temporada de caça às vagas. É isso, um beijo.

 

Crise Penitenciária em Evidência

O Salto 2 comments

por Bella Nazar

Oi, galera! Tudo bem?

Neste artigo vamos entender como esse assunto tão delicado e polêmico ganhou evidência nas mídias.

Bom, no dia 2 de janeiro de 2017, uma briga entre facções rivais no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, terminou com a morte de 56 detentos. Uma calamidade com essas proporções já havia acontecido, mas em outubro de 1992, em São Paulo, quando 111 presos foram mortos no presídio do Carandiru.

As 56 mortes do presídio em Manaus ganharam destaque no mundo todo, mas isso é algo corriqueiro, afinal, em média, 1 pessoa é assassinada por dia nos presídios brasileiros.

Tal acontecimento trouxe à tona a crise penitenciária que sempre aconteceu, mas que é importante ser debatida, entendida e remedida. Vamos lá!

Alguns fatores propiciam o surgimento de rebeliões dentro dos presídios:

1.Número de vagas é menor do que o número de presos – superlotação:

Devido ao elevado número de crimes, como pequenos roubos e venda de drogas, há superlotação nas celas, pois há, em média, 375.892 celas para 579.423 presos contabilizados em 2014. Ou seja, faltam 203.531 vagas nas prisões do país. Assim, essa superlotação torna a situação dos presídios ainda mais precária.

Sabia que a superlotação viola os direitos humanos, bem como o direito à dignidade da pessoa humana, assegurado pela Constituição de 1998?

2.Lentidão e ineficiência da justiça para os julgamentos:

Mais de 220 mil presos estão aguardando julgamento ou condenação, são os chamados “provisórios”. Isso faz com que a revolta aumente, pois o sistema judiciário é lento e, muitas vezes, age de forma equivocada. Afinal, alguns indivíduos ficam anos presos devido a pequenos delitos, mas outros saem por bom comportamento mesmo tendo cometido crimes perigosos.

Com quase metade da população carcerária brasileira ainda esperando julgamento e um excesso de 54% na capacidade das prisões, a Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou um informe, em Genebra, na Suíça, apontando o sistema judiciário de “ineficiente” e alertando para a “superlotação endêmica” das prisões brasileiras.

3.Infraestruturas precárias nas celas:

As condições sanitárias das celas são deploráveis, a alimentação também é extremamente precária, o que, novamente, viola o direito à saúde, ao lazer e à dignidade dos indivíduos.  Muitos contraem HIV durante o tempo nas cadeias, bem como Hepatite.

Esses fatores contribuem para a violência interna e para o crescimento das facções criminosas, pois facilita o contato de presos perigosos – assassinatos, tráfico – com presos de delitos leves – pequenos furtos, venda de drogas -, mas não proporciona a reintegração/recuperação deles para a sociedade.  Assim, outro problema enfrentado é a reincidência às cadeias.

Vamos aos repertórios?

Filme “Carandiru” (2003):

Esse filme dramatiza os dramas vividos no maior presídio da América Latina nos anos 90. O retrato da violência agravada pela superlotação, os serviços prestados os quais são extremamente precários, bem como a animalização dos presos. Nesse ínterim, também é revelado o lado sonhador, romântico e frágil dos detentos.

Documentário “Pelo direito de recomeçar” (2013)

Esse documentário, lançado em 2013 pela Defensoria Pública do Estado de Tocantins trata a crise penitenciária tocantinense com o intuito de promover a conscientização sobre a ressocialização durante o cumprimento das penas. Além disso, apresenta propostas para amenizar os problemas e reinserir os presos por meio do trabalho.

 

Documentários: “Tortura e encarceramento em massa no Brasil” (2015) / Parte 2 – Mulheres e o cárcere

Para denunciar a barbárie vivida pelos presos, a Pastoral Carcerária criou o minidocumentário Tortura e Encarceramento em Massa no Brasil 2015, dividido em duas partes.

A Parte 1: “A Tortura como Política de Estado”, dramatiza as novas formas de tortura dentro do sistema carcerário.

Já a Parte 2: “As Mulheres e o Cárcere”, relata os dramas vividos pelas mulheres presas, como muitas acabam naquela situação por causa dos namorados/maridos/companheiros, a triste situação de extremos cuidados aos filhos recém-nascidos e, depois, o modo como eles são retirados delas.

Propostas:

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a audiência de custódia diminuiu o nível de prisões provisórias para 53% na cidade de São Paulo. Assim, o juiz avalia – em até 24h após o ocorrido – se o preso tem necessidade de prisão.

– Propostas a curto prazo:

Melhoria da qualidade das celas e da infraestrutura dos banheiros

Momentos de estudos e trabalhos para os presos, proporcionando a redução da sentença

– A longo prazo:

Melhoria na educação de base

Campanhas de conscientização contra o uso de drogas e de violência

Presídios inteligentes: o presídio em Paracatu (MG) os “recuperandos”, como são chamados, não têm tempo para ociosidade. Lá eles têm oficinas de artesanato, padaria, confeitaria, marcenaria, estudam, além de momentos de lazer.

“ Os presos chegam aqui como bichos, de cabeça baixa e as mãos para trás. No portão a gente tira as algemas, a roupa laranja, levanta o queixo dele e fala: olha reto! Ele anda uma semana emborcado e olhando pra baixo, mas aos poucos vai voltando a andar como gente! Borracha e paulada na cabeça não deu conta de resolver. Esse método é um novo pacto — diz o diretor da APAC, Eurípedes Tobias.”

Lembrem-se que, apesar de essas pessoas terem cometido crimes, são seres humanos e merecem dignidade. Muitos – quando crianças e adolescentes – não tiveram acesso aos estudos, carinho e nem a laços familiares, muitas vezes, passaram dias sem comer e não tiveram sequer direitos básicos, como esgoto e água tratada.

Precisamos entender que existe uma situação de violência velada –  cometida pelo Estado – ou seja, a falta de benefícios imprescindíveis a eles, mas, por outro lado, há o pleno acesso aos grupos de elite. Isso cria uma situação de revolta e uma sensação de impotência. Devido a isso, infelizmente, são nessas brechas criadas que traficantes e líderes de facções veem oportunidades para aliciar novos integrantes.

Então, proporcionar tudo isso e reinseri-los à sociedade, não só diminui os níveis de violência, mas restaura famílias também, melhorando o IDH do Brasil.

Pensem mais nisso! Não esperem que crises como a ocorrida em Manaus e no Carandiru aconteçam para que falemos sobre esse assunto.

Não perca nenhuma dica!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu email.