Saúde do homem como tema de redação do Enem 2021?

Oie, Saltitante!!! 🧡 

Você saberia escrever um texto de fazer os olhos dos corretores BRILHAREM se o tema da redação do Enem 2021 fosse sobre a saúde do homem?  

Fonte: Nestia Food

Se você ainda tem dúvidas sobre esse assunto, pode ficar tranquilo (a)! Nós vamos fornecer vááááárias informações pra você arrasar na sua redação, caso o tema for esse! Confira com a gente! 

O que é Síndrome de Gaston? 

A gente conhece bem o Gaston, aquele personagem SUPERBACANA (só que não) de “A Bela e a Fera”, né?  

Apenas uma reação: 🙄 Fonte: Tumblr

O Gaston é tratado como um herói na vila francesa onde a Bela mora. Ele é alto, forte, másculo, musculoso, o tipo de cara que todos os homens querem ser e que todas as mulheres querem ficar. Quer dizer, com exceção da Bela, né, que não admira esse tipo de cara que se preocupa tanto com a aparência, que não demonstra sensibilidade, e por aí vai. 

Coitada da Bela, que teve que lidar com esse embuste! Fonte: Pinterest

E não dá pra negar que o Gaston é o típico homem que ajuda a perpetuar um comportamento machista e homofóbico que é transmitido de pai pra filho. Nossa sociedade, embora esteja mudando, ainda é muito patriarcal, e essa ideia obsessiva de que o homem tem que ser como Gaston contribui e MUITO para moldar a fragilidade, os medos e as inseguranças dos meninos que ainda estão tentando definir sua própria personalidade. É por isso que chamamos essa busca incessante pela “perfeição socialmente valorizada” como Complexo de Gaston. 

Chocante, né?! Fonte: Gfycat

Repertório cultural 

Além do Complexo de Gaston, o documentário “A máscara em que você vive” também corrobora essa ideia. Ele exibe exatamente como essa pressão de ser e agir de forma “MASCULINA” afeta psicologicamente crianças e jovens. A produção mostra como os meninos crescem inseguros e depressivos e como isso pode contribuir pra formar adultos sexistas e agressivos.  

Joe Ehrmann, ex-treinador de futebol americano e palestrante motivacional, disse o seguinte “as palavras mais destruidoras que todo homem escuta quando garoto é SEJA HOMEM.” Esse documentário prova exatamente isso de todas as maneiras possíveis, com depoimentos de educadores, sociólogos, psicólogos e, principalmente, dos próprios meninos que são vítimas desse sistema social. 

“A masculinidade americana está prejudicando nossos meninos, homens e a sociedade em geral?” Fonte: Minha Visão do Cinema

Tudo bem, mas o que isso tem a ver com a saúde do homem? 

Absolutamente TUDO! 

“Tudo está conectado”. Fonte: GIPHY

Dados estatísticos  

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, morrem 42 homens POR DIA vítimas de câncer de próstata. Essas mortes poderiam ser evitadas pelo diagnóstico precoce realizado por meio do toque prostático*. 

E sabe por que muitos caras não fazem esse exame? Justamente porque eles acham que isso afeta sua masculinidade e que isso “não é coisa de homem”. Olha só esses dados: 

Uma pesquisa de 2018, realizada pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, em parceria com a Bayer, mostrou que 49% dos brasileiros acima dos 45 anos nunca realizou o exame de toque prostático. Para 24% deles, esse cuidado é pouco másculo ou viril, e para outros 13%, o procedimento não é necessário para a detecção precoce do câncer, o que não é verdade.  

*A expressão “toque retal” está sendo cada vez menos usada, já que o objetivo dos profissionais da saúde não é examinar o reto propriamente e sim a próstata através do resto.  

Argumento de autoridade  

O problema é que a gente tá muito relacionado quanto ao preconceito quanto ao toque prostático, ao exame de próstata. Isso porque o único modo que a gente tem de acessar a próstata no exame físico é através do toque prostático. Então esse preconceito está muito relacionado ao desconhecimento de como é feito o exame. As pessoas acabam se pautando muito mais por piadas e por brincadeiras do que realmente pelo exame e como ele realmente é feito”. 

Arnaldo Fazoli, urologista e especialista em próstata, rim e bexiga  

Novembro Azul 

câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele. E esse assunto tem se tornado muito importante nesses últimos anos, tanto que a gente tem um mês todo dedicado só pra ele: o Novembro Azul.  

Na verdade, o movimento surgiu em 2003, lá na Austrália. Um dia, um grupo de 30 amigos resolveu deixar o bigode crescer para chamar a atenção para a questão da saúde masculina. Aí, eles criaram a Movember Foundation (Movember é uma junção de moustache, que quer dizer bigode, com november, que é novembro).  

A fundação não tem fins lucrativos e funciona para arrecadar fundos para pesquisa e auxílio do tratamento do câncer de próstata e também de outras doenças relacionadas com a saúde do homem. Durante todo mês de novembro, eles convidam os homens a deixarem o bigode crescer e as mulheres a usarem azul, para chamar atenção pra causa.  

Em 2008, o Instituto Lado a Lado pela Vida, junto com a Sociedade Brasileira de Urologia, resolveu trazer essa campanha pro Brasil. E aí, foi criado o Novembro Azul, que ficou conhecido como o mês voltado pra prevenção do câncer de próstata. Nesse mês, instituições oferecem exames gratuitos ou com descontos e também fazem vários eventos para espalhar a ideia: sempre com os símbolos do bigode e da cor azul. 

Alta expectativa de vida  

Se as estimativas do câncer de próstata de hoje forem comparadas com as do passado, os números atuais são muito maiores. Isso porque a quantidade de casos aumenta porque a expectativa de vida das pessoas também aumenta.  

Além disso, a tecnologia para detectar tumores evoluiu e muito nos últimos 25 anos. E aí, algumas pessoas que não foram diagnosticadas há décadas podem ser diagnosticadas hoje.  

Mais dados estatísticos  

Ainda segundo o Instituto Nacional do Câncer, três em cada quatro pacientes diagnosticados com câncer de próstata têm mais de 65 anos. A idade cada vez mais tardia em que se desenvolve esse tipo de câncer se deve à evolução dos exames, à melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e ao aumento da expectativa de vida. Além disso, a taxa de sobrevida relativa dos pacientes em 5 anos é de cerca de 98%. 

Como fazer uma redação sensacional sobre o assunto? 

Frase temática: A saúde do homem e a prevenção de doenças 

Introdução: 

Na primeira frase da introdução, que tal colocar um repertório sociocultural bem bacana pra contextualizar o assunto? Aqui, é óbvio que o Gaston não poderia ficar fora, né? 

“Na narrativa “A Bela e a Fera”, a personagem Gaston é um arquétipo da masculinidade: viril, conquistador e insensível.” 

Ok, o filme já foi citado, mas o mais importante mesmo é relacionar o repertório com o tema da redação, mostrando pro corretor que o assunto abordado pela redação foi entendido: 

“Esse estereótipo de homem, conhecido como “Complexo de Gaston”, infelizmente pauta a conduta de muitos indivíduos, afetando inclusive os cuidados que eles dispensam à saúde e à prevenção de doenças.” 

Dessa forma, dá pra notar que tanto o tema quanto a tese foram bem marcados nessa frase.  

E, para fechar a introdução, temos: 

“Assim, o que se observa é que tal visão machista faz com que muitos homens não cuidem da própria saúde, acarretando prejuízos individuais e coletivos.” 

Nessa parte, há uma causa (a visão machista que motiva os homens a não cuidarem da própria saúde) e uma consequência (os prejuízos individuais e coletivos). Esses serão os argumentos trabalhados no Desenvolvimento 1 e no desenvolvimento 2. 

Desenvolvimento 1 

No desenvolvimento 1, há a retomada ao argumento 1 que foi utilizado na introdução (a causa: a visão machista que motiva os homens a não cuidarem da própria saúde). Assim, todo o d1 será trabalhado em torno desse assunto.  

A influência do patriarcalismo pode ser citada, assim como documentário “A máscara em que você vive”: 

“Como efeito, é comum a não adoção de medidas de autocuidado por influência do patriarcalismo. Esse pensamento, segundo o documentário ‘A máscara em que você vive”, é socialmente construído a partir da associação entre masculinidade e virilidade, de modo que qualquer ação que evidencie a fragilidade do homem o coloca em uma posição de rebaixamento.” 

Mas você sabe que não é só jogar o repertório na redação, né? É necessário trabalhar a argumentação: 

“Por isso, o zelo com a saúde é desvalorizado, pois é entendido como manifestação de fragilidade, sobretudo porque muitos atos de autocuidado se opõem a símbolos ligados ao masculino – o exame de toque, por exemplo, apesar de essencial para a detecção precoce do câncer de próstata, é rejeitado por ser associado ao sexo anal, prática incompatível com o arquétipo da masculinidade”.  

Agora, vamos partir para o fechamento da ideia, sintetizando todo o raciocínio trabalhado no parágrafo: 

“Dessa forma, é evidente a relação entre machismo e descuido com a saúde”. 

Terminando isso, é só focar no desenvolvimento 2! 

Desenvolvimento 2 

Se no d1 trabalhamos a causa, no d2 vamos trabalhar a consequência: os prejuízos individuais e coletivos: 

“Em decorrência desse* cenário, tanto o homem quanto a sociedade são prejudicados”. 

*Olha só esse conectivo sequencial entre parágrafos! Ele dá ideia de consequência! Uma lindeza, né, gente? Outras opções que podem ser utilizadas são: consequentemente, por conseguinte, com efeito… Lembrando também que o uso de pelo menos um conectivo sequencial interparágrafo na redação é uma obrigação do Enem, avaliado pela competência 4. 

Depois de retomar sobre a consequência, você pode apresentar mais um repertório sociocultural pra dar autoridade ao seu texto. Por isso, vamos te ensinar um repertório universal, supercoringa e que pode ser usado no eixo temático da saúde:  

O médico Drauzio Varella (a gente aaaaama!!!) afirma que o nosso sistema de saúde privilegia o tratamento de doenças, em vez de orientar a população sobre cuidados e prevenção: “Nós só temos uma alternativa: focar o sistema de saúde na prevenção, evitar que as pessoas envelheçam em mau estado de saúde, porque aí o tratamento delas vai sair muito caro e não há sistema de saúde no mundo capaz de arcar com todas essas despesas”.* 

*Você pode encontrar outros repertórios incríveis no nosso curso Redação a Jato! Venha dar um salto na sua nota!!! 

Voltando aqui, podemos colocar o segundo parágrafo assim: 

“Nesse sentido, o médico Drauzio Varella afirma que existe um raciocínio que privilegia o tratamento de doenças em detrimento da prevenção delas, o que acaba por comprometer a qualidade de vida do indivíduo e sobrecarregar o sistema de saúde, gerando, pois, prejuízos à coletividade”. 

Para dar ainda mais força ao seu texto, você pode falar sobre o câncer de próstata: 

“De forma semelhante ao problema descrito pelo médico, a atitude de despreocupação com a saúde, adotada por muitos homens, pode fazer com que eles desenvolvam condições clínicas graves – a exemplo do câncer de próstata- e precisem recorrer ao sistema de saúde, que, por sua vez, tem gastos maiores com o tratamento desses pacientes. Logo, ficam evidentes os prejuízos da influência do machismo na saúde masculina e nas finanças estatais”.  

Agora podemos finalizar o d2 com uma situação-problema, que será resolvida na conclusão: 

“Em função desses impactos negativos, é necessário adotar uma intervenção para alterar tal mentalidade retrógrada”. 

Conclusão 

Na conclusão, você deve sugerir uma proposta de intervenção, que responda as seguintes perguntas: quem?, faz o quê?, como?, para que? 

Quem: “O Ministério da Saúde…” 

Deve fazer o quê? “…deve promover campanhas de informação voltadas aos homens…” 

Como? “…por meio de propagandas, as quais expliquem os riscos de negligenciar a saúde…” 

Para que? “…essas campanhas terão como o objetivo desconstruir o mito da negligência enquanto manifestação da virilidade, de modo a evitar o ‘Complexo de Gaston’ entre os cidadãos.”* 

*Olha o recurso de texto cíclico, que retoma o repertório da introdução na última frase da conclusão. 

Gostaram?! Nós ficamos muito felizes em ajudar você a fazer aquela redação do Enem incrível e sem nenhum defeito! E temos uma surpresa: você pode baixar a redação-modelo na íntegra que foi usada nesse post!  

Você já pensou em estudar para o Enem por meio de eixos temáticos? Com o e-book gratuito “Repertórios Universais por Eixos Temáticos, você vai perder o medo de abrir a folha de redação do Enem. Não deixe de conferir! 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter